Geral

A prisão de Milton Ribeiro e uma perguntinha maleva

ribeiro

A pergunta é: quem permitiu que esse grupo mandasse e desmandasse no dinheiro do contribuinte? Quem abriu a porta para que adentrassem no MEC sem pudor?

A prisão do ex-ministro Milton Ribeiro repercute. É um escândalo tão explícito quanto o esquema de cobrança de propina e favorecimento de “amigos do rei”, no Ministério da Educação. No caso, pastores eram os “amigos do rei”. Quem mandava atendê-los: o presidente. Foi o próprio Milton Ribeiro quem contou, em depoimento à PF, que apenas cumpria determinações do chefe. (O texto é baseado no qeu escreveu a jornalista Kelly Matos, de Zero Hora.

Diz a jornalista:
Relembremos o caso: em março, reportagem do Estado de S. Paulo revelou a existência de um gabinete paralelo no MEC, formado por pastores que ajudavam a decidir para onde o dinheiro da Educação brasileira deveria ir.

Depois, a Folha avançou e contou que um dos pastores havia cobrado “um quilo de ouro” em propina, durante encontro em um restaurante de Brasília. Houve também a informação, narrada por prefeitos a senadores, em abril, de que a liberação de recursos para uma escola profissionalizante foi condicionada ao adiantamento de R$ 40 mil “na conta da igreja evangélica”.

Na reportagem do Estadão, assinada por Breno Pires, Julia Affonso e André Shalders, o escândalo foi descrito com detalhes. Conforme a apuração, os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura negociavam com prefeituras a liberação de recursos federais para obras de creches, escolas, quadras ou para compra de equipamentos de tecnologia.

Resta claro que o grupo de pastores buscava extorquir dinheiro dos prefeitos, condicionando à liberação de recursos públicos ao pagamento de propina.

O pedido de propina em ouro não deixa dúvidas sobre o tom das conversas. E a operação da Polícia Federal confirma a gravidade do caso – o mandado de prisão de Milton Ribeiro cita os possíveis crimes de corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência, conforme o repórter Márcio Falcão, da TV Globo.

Mas é preciso que as investigações não cessem. Ainda há questões importantíssimas a serem respondidas: quem autorizou? Quem permitiu? Quem mais sabia? É fundamental esclarecer.

João Lemes

Oi! Aqui é o João Lemes, editor do Expresso Ilustrado e do site Nova Pauta. Sou graduado em Língua Portuguesa e membro da Academia Santiaguense de Letras. Gosto de abordar todos os temas. Se você gostou, obrigado, se não gostou, obrigado por ter lido. Aceito sugestões. Um abraço.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
error: Ação não permitida !!

Adblock detectado

Mensagem para que o visitante desative o bloqueador de anuncios